Quem somos

Aranhas

Aranha

Todo ambiente terrestre oferece condições ideais para ocupação das aranhas, aracnídeos do mesmo grupo dos escorpiões, lacraias e carrapatos. Animais predadores altamente especializados, importantes agentes ambientais, pois algumas espécies carnívoras se alimentam de vetores responsáveis pela transmissão de doenças, como baratas e ratos. Muitos acidentes ocorrem no mundo inteiro, levando inclusive pessoas à morte. Particularmente o4 espécies são importantes no Brasil, pois são responsáveis por 90 % dos acidentes documentados: Phoneutria nigriventer (aranha armadeira): Especialistas do mundo todo a consideram as aranhas mais agressivas e venenosas do mundo. Importantes predadoras de baratas, grilos, lagartixas, etc. e por isso são fundamentais no controle biológico nos variados ecossistemas que compõe o cenário urbano.

Ocorrem em todo território brasileiro, muito comum principalmente na região sudeste do Brasil. Peçonhentas, de coloração marrom, através de sua picada muito dolorora inoculam na vítima um veneno neurotóxico muito potente e são animais sinantrópicos, ou seja, procuram nas habitações humanas refúgio para moradia e acasalamento. Se molestadas, picam a vítima várias vezes não se importando com a quantidade de veneno aplicado. São responsáveis por aproximadamente 40% dos casos de picadas por aracnídeos notificados no Brasil. Se picada, a pessoa deve imediatamente procurar ajuda em instituições especializadas, como o Instituto Butantan, em São Paulo e a Fundação Oswaldo Cruz, no Rio de Janeiro.

Loxosceles intermedia (aranha marrom): Freqüentemente encontradas na região sul do Brasil, especificamente no estado do Paraná. Não são agressivas, se alimentam de diversos insetos que inadivertidamente ficam presos em suas teias. Os acidentes ocorrem quando as aranhas, procurando abrigo ou transitando nas edificações humanas (pois podem se esconder atrás de móveis, no meio de roupas, dentro de sapatos, etc.), são comprimidas contra a pele, sem qualquer sinal de agressividade. A picada não é dolorosa, e a dor pode ser notada após várias horas. Os principais sintomas são: dor, queimação, vermelhidão, inchaço e coceira. Se não for tomada nenhuma providência, a ferida pode ficar necrosante com o passar dos dias. Se os institutos especializados das grandes metrópoles estiverem longe, aconselhamos levar a vítima para um posto de saúde mais próximo para o início do tratamento.

Ladrodectus mactans (viúva negra): famosa aranha mais conhecida por viúva negra, já que após fecundar a fêmea (que é muito maior e mais poderosa do que os machos) o macho é “devorado” pela parceira. Encontrada em todo Contenente americano, a viúva negra é muito comum na Baía de Guanabara – RJ. Importante agente ambiental, assim como suas primas, estas aranhas se alimentam de diversos insetos, inclusive o Aedys aegypt (inseto responsável pela transmissão da dengue). A picada é muito dolorosa. O veneno inoculado é super potente, neurotóxico e age no sistema nervoso central, medula, nervos e musculatura lisa, podendo levar o indivíduo à morte.

Acanthoscurria geniculata (aranhas caranguejeiras, tarântulas): Aranhas pouco agressivas, mais conhecidas como caranguejeiras (que pelo seu impressionante tamanho, lembram os seres habitantes das praias). Picadas pouco dolorosas, sua principal arma, além das queliceras (estruturas especializadas na captura das vítimas), é o friccionar frenético das patas traseiras, liberando desta forma pêlos urticantes que afastam os possíveis predadores.

Aconselhamos chamar um biólogo especializado para tratar quaisquer casos de ocorrências com aranhas, escorpiões e lacraias, pos tratam-se de animais que apesar de indispensáveis ao meio ambiente, são seres peçonhentos que podem causar sérios danos à saúde das pessoas leigas.